segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Resenha Trilogia A Rainha da Fofoca

Olá meus amores, como vocês estão? Espero que bem :)
Hoje eu vim aqui resenhar uma trilogia, sim os três livros em um único post. Afinal eu não sei falar sobre trilogia, sem dar nenhum spoiller, por isso acho melhor colocar todos em uma só.
E outra, Meg Cabot é impossível não falar demais, então vamos lá

Lizzie Nichols não tem a mínima idéia do que vai fazer da vida e está detonando o dinheiro da formatura em uma viagem para visitar o namorado que conheceu há apenas três meses, mas isso não é nada. O problema é que Lizzie não consegue guardar nenhum segredo, o que a coloca em situações delicadas, como ficar presa em Londres sem um teto ou dinheiro. Felizmente uma amiga está por perto para ajudar, mas ela estraga tudo outra vez. Lizzie está no limite e precisará provar que pode usar sua boca grande para algo de bom. (skoob)


Lizzie Nichols está de volta, sapateando nas ruas de Nova York e procurando por um emprego, um lugar pra morar e seu próprio lugar no Universo (não necessariamente nessa mesma ordem). O uso da palavra com M (Morar Juntos) de seu namoradinho Luke fez com que ela alegremente abandonasse os planos de dividir uma kitnet com sua melhor amiga, Shari, em troca de morar junto do amor de sua vida no caríssimo apartamento da mãe dele, na 5º Avenida. Lizzie foi parar em uma festa 0800 na sua área – com um vestido de casamento vintage – e um emprego de recepcionista no escritório de advocacia do pai do namorado de Shari. Então, a vida está boa… por agora. Mas quase que imediatamente, sua notável grande boca vai metê-la em confusão. No trabalho, ela está se tornando muito próxima da socialite Jill Higgins, futura noiva, inflamando a ira da problemática futura sogra de Jill. Em casa, ela cometeu o grandíssimo erro de falar a palavra com C (Casamento) para o averso-a-compromissos Luke. Mais uma vez a falta de emprego e de lugar para morar paira sobre a azarada e fofoqueira Liz – a menos que ela consiga descobrir um jeito de fofocar seu Felizes Para Sempre. (skoob)


No último livro da série bestseller do New York Times, a vida não podia estar melhor para Lizzie! Ela parece ter tudo o que sempre quis: conseguiu um emprego em Nova York, está fazendo aquilo que mais gosta trabalhando numa loja de restauração de vestidos de noiva e Luke, seu namorado gatíssimo e cheio da grana, finalmente a pediu em casamento.Mas por que será que Lizzie não consegue ficar satisfeita por estar a alguns passos do altar? Parece que ninguém está se importando com o que Lizzie quer fazer da vida! Só sua avó – com seu jeito peculiar –, suas funcionárias na Chez Henri e uma cliente celeb louca de pedra para clarear suas ideias e mostrar que seu futuro estava ali ao seu lado o tempo todo... (skoob)



Resenha

Essa não é uma resenha como as outras, ela vai ser muito diferente e prometo não contar muita coisa importante, vou deixá-los curiosos, só vou contar muita coisa do primeiro, afinal vocês precisam entender do por quê ler está trilogia :)

Se contar para vocês que não tinha lido nenhum livro da Meg antes, vocês acreditam? Sério, antes de A Rainha da Fofoca, nem imaginava que iria ler um livro da Meg. Óbvio que estava curiosa, afinal todos, repito, TODOS, falam super bem dela, então de curiosidade para promoções baratas no Submarino, acabou surgindo o primeiro livro desta trilogia à minha estante ano passado e só ser lido este ano.



Em a Rainha Da Fofoca #1 conhecemos Lizzie e suas atrapalhadas com o problema da boca grande. Confesso que isso me irritou um pouco no começo, mas esse é o tipo de livro que pegou, sentou, leu e ficou na vontade pelos outros. Lizzie apesar de falar demais, é uma moça de bom coração, meio tonta de embarcar em aventuras doidas, como aconteceu no primeiro livro e depois se arrepender, sendo que parece que está guiada pelo sentimento irracional. Ela tem um sonho, trabalhar no que mais gosta: reconstruir roupas vintage.

No primeiro livro somos apresentados também a Shari, sua melhor amiga. Chaz, o namorado de sua melhor amiga e ao Luke o amigo desconhecido de Chaz. Nos três livros, dei muita risada, minha nossa, minha barriga chegou a doer de tanto que eu ri. Lizzie sempre me deixa de boca aberta com suas invenções. Cabot nos apresenta uma mulher normal, que tem seus defeitos de querer ajudar todo mundo, que não sabe guardar segredos, querendo se sentir realizada, ter uma profissão e acima de tudo: querer uma pessoa que a ame de verdade. Acontece tantas coisas no decorrer de cada livro que você não acreditar que está acontecendo aquilo. 

Você fica pensando: "Sério Meg, você escreveu isso mesmo? Isso está acontecendo? Cadê a câmera escondida, pois só pode ser piada", me senti várias vezes assim, mas só piorou mesmo foi no segundo, pois eu não acreditava que uma pessoa que estivesse amado no primeiro, iria se tornar tão CRETINA, essa é a palavra, estou até agora sem acreditar, como a pessoa muda assim do nada, ou ela estava querendo se fazer de "boazinha", mas por dentro não presta. E outra pessoa, que não aparece tanto assim no primeiro livro, volta com força total no segundo e terceiro que nos deixa de queijo caído. A minha sorte ou não, foi que apesar de ter lido o primeiro livro, no começo do ano, minha memória estava fresca ainda com a estória e quando surgiu outra promoção no Submarino pude completar a trilogia, graças à Deus eu tinha já o terceiro, pois o final daquele segundo livro é assim: "Espera aí, como você pode fazer isso Meg? Me explica, agora que as coisas estavam se ajeitando, você faz uma tempestade." Fiquei frustada em muita parte da estória.



Meu livro favorito da trilogia é com certeza o terceiro, morro de amores por ele. Toda hora ficava me perguntando "E agora Nicholls o que você vai fazer?", até que ela soube se virar muito bem. Meg arrasou mostrando esse lado da mulher, Lizzie queria ser perfeita para o namorado dela, pois ela O achava perfeito, mas no final ela viu que realmente a pessoa perfeita não existe, e que tinha que ficar do lado de quem à faz bem. Lizzie cresceu muito com o decorrer do tempo, mas nós só vemos como ela realmente cresceu, é no terceiro, pois ela está sem as "amarras", é muito legal de se ver isso!

A trilogia ganha quatro estrelas e meia, pois no segundo Lizzie me tirou do sério e demorava para ela entender, que ser perfeito não basta! Só por causa disso, pois à trilogia é muito muito boa mesmo, estou de amores até hoje e olha que faz um tempinho que li

Espero que tenham gostado gente é que realmente não gostaria de estragar, falando de cada livro, por medo de falar demais :/ sim eu tenho esse problema também.
Beijos

Nenhum comentário:

Postar um comentário